sábado, 21 de junho de 2008

Franciscanos de Maria - Nova Associação Religiosa

Nos últimos dias do mês de Maio, meia centena de pessoas, reuniu-se em congresso para dar um novo impulso à nova e recém-criada congregação religiosa - nova fundação: Franciscanos de Maria.
Acompanhando ao Pe. Victor, sacerdote diocesano de Cd. Valles e responsável da CODIPAC (Comissão Diocesana para a Pastoral da Comunicação Social), fui a San Luis para participar no Primeiro Congresso de Franciscanos de Maria, escola de Agradecimento. O pe. Victor é membro desta fraternidade sacerdotal e espiritual.
O fundador deste novo Movimento religioso e sacerdotal é o Pe. Santiago Martin, espanhol. Muitos conhecem-lo das suas famosas crónica dominicais do jornal madrileno "ABC". Foi discípulo do famoso sacerdote escritor, José Luis Martín Descalzo. Penso que se lembram dos seus famosos livros: "Razões para a Esperança" e etc...
Gostei muito de conhecer este sacerdote e homem de Deus. O carisma e apostolado dos Franciscanos de Maria é viver cada dia em total sintonia de agradecimento a Deus pelo seu imenso amor. Numa palavra: "Amar e fazer o Amor ser amado"...

«
O meu amado é para mim e eu para ele, ele é o pastor entre os lírios, até que rebente o dia
e as sombras desapareçam
». Ct 2, 16-17a

Passeio a cavalo em honra de San António...

video

No dia 10 de Junho, realizou-se o Primeiro Passeio a Cavalo em honra de São António de Pádua. Como podem ver no filme, foi todo um êxito!!! Participaram cavaleiros da paroquia, das paroquias vizinhas e amigos que se quiseram associar às festividades antoninas... Também foi um meio de valorizar tradições e fomentar-los aos jovens de hoje... E até, podia cantar-se: "Indo eu, indo a caminho de São Antonio..."


«Pelo caminho, proclamai que o Reino do Céu está perto». Mt 10,7

Entrevista com o Pe. Juan Narvaez...

Ele é o sacerdote mais veterano da Diocese, foi um dos primeiros a chegar a Valles, quando esta foi erigida... Os seus pais puseram-lhe o nome de Juan, e a família abriu-lhe os braços dizendo: serás um Narvaez a onde quer que vás.
O Pe. Juan Narvaez é um desses pilares que vale a pena admirar, parar para escutar com atenção a história da sua vida.
Antes de gravarmos mais um programa de Radio, Pe. Victor e eu fomos à casa de Pe. Juan para uma pequena entrevista.
Só um dado: começámos a entrevista às 12.00 horas e terminámos às 16.00 horas, justo meia hora antes da gravação do programa.
Contou-nos a sua vida, a sua entrada ao seminário de San Luís, a sua primeira paroquia, como veio para Ciudad Valles, as suas primeiras paroquias na huasteca potosina: Rayón, Axtla de Terrazas, e finalmente a paroquia de Sagrario Catedral de Valles.
O mais fascinante foi escutar-lo falar de como surgiu o projecto "Casa Sacerdotal". Nos partilhava que quando era um jovem padre, cheio de sonhos e projectos, trabalhando na paroquia de Nossa Senhora de Guadalupe como vigário cooperador, uma vez no mercado da cidade de San Luís, vi algo que o magoou profundamente: um sacerdote de uns cinquenta anos pedindo esmola aos vendedores, as pessoas que compravam...
Segundo o Pe. Juan, este episódio marcou-o indelevelmente. Por isso, ao construir a casa sacerdotal, estava a cumprir o seu sonho-resposta a este tão triste episódio. A casa sacerdotal nasceu com o objectivo de proporcionar aos sacerdotes (entendamos que aqui o Pe. Juan fala dos sacerdotes diocesanos) um lugar digno para descanso e para a aposentação...
Bem haja, Pe. Juan!


«Filhinhos, já pouco tempo vou estar convosco. Haveis de me procurar, e, assim como Eu disse aos judeus: 'Para onde Eu for vós não podereis ir', também agora o digo a vós. Dou-vos um novo mandamento: que vos ameis uns aos outros; que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei. Por isto é que todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros.» Jo 13,33-35

Procissão do Corpo de Deus...

O sol ainda brilhava com intensidade, quando começaram a chegar ao adro da Igreja paroquial de São António os primeiros grupos de crianças da catequese. Uns traziam balões coloridos, outros bandeiras, outros fitas coloridas... cada grupo da Primeira Comunhão tinha a sua respectiva cor...
Às seis da tarde, do dia 22 de Maio, iniciamos a procissão do Corpo de Deus... À frente da procissão ia a banda de guerra, da Escola Secundaria de São António; depois, o carro do som (foram os membros da Antorcha Guadalupana que o facilitaram); em seguida, o Pe. Suawek com a custodia eucarística coadjuvado pelos membros da Adoração Nocturna Mexicana (Movimento que tem por carisma viver a adoração perpétua a Jesus Eucaristia; a paroquia tem dois grupos ou secções: uma na Comunidade de Lejem e e outra em São António). Depois vinham os miúdos da Primeira Comunhão, divididos por comunidades; cada grupo munido com a sua cor designada. Por fim, as demais pessoas....
Percorremos as ruas de São António. Havia, em lugares estratégicos, 4 altares para adoração de Jesus Eucaristia, preparados pelos zeladoras da Igreja paroquial e encarregadas dos diferentes bairros.
Às sete da tarde, celebrou-se a Santa Missa da festa do Corpo de Cristo, e foi a melhor maneira para concluir este evento. Poderia dizer-se que foi a cereja no bolo...

«O cálice de bênção, que abençoamos, não é comunhão com o sangue de Cristo? O pão que partimos não é comunhão com o corpo de Cristo? Uma vez que há um único pão, nós, embora muitos, somos um só corpo, porque todos participamos desse único pão». 1Cor 10,16-17

Congresso Eucarístico Nacional - Morelia, 2008

Desde o dia 2 a 4 de Maio, na colonial cidade de Morelia, celebrou-se o IV Congresso Eucarístico Nacional. A capital do estado de Michoacán foi, durante estes três dias, a cidade eucarística mexicana. Bispos, sacerdotes, religiosas e religiosas, leigos de todos os estados e de todas as idades, reuniram-se no Centro de Exposições e Convenções desta bonita e pitoresca cidade. Para juntos estudarem os documentos pré-elaborados e também, como Igreja sinal de comunhão e unidade, prepararem o Congresso Internacional Eucarístico, que se celebrou em Quebec, Canadá.
Como representante e membro da equipa de comunicação social da diocese de Cd. Valles, estive presente neste acontecimento eclesial. Gostei do que vi, ouvi e interiorizei. Em especial, fascinou-me conhecer e conviver com tantos e tantas discípulos(as) de Jesus Eucaristia.
Na paroquia que me recebeu, ficaram também hospedados doze homens pertencentes ao movimento - Adoração Nocturna Mexicana; todos eles casados e já pais de muitos filhos, como aqui se costuma dizer. Fizeram uma viagem de 14 horas seguidas, desde a cidade de Parral, no estado de Chihuahua, que faz fronteira com os USA, apenas com um objectivo - Participar. Gostei de conhecer-los. Eram doces varões, homens de fé e mística. Quando era para rezar, rezavam com simplicidade e alegria. Quando era para reflectir sobre os diversos temas, dedicavam-se com esmero e atenção... Nos passeios de autocarro pela cidade, sempre mantinham a boa disposição... uma piada na ponta da língua, um comentário animador e positivo, perante algum triste espectáculo que as modernas cidades nos apresentam em cada esquina...
A partir do momento que souberam que eu era sacerdote missionário, não me deixaram mais sozinho... queriam acompanhar-me a todo o lado, ajudar-me a sentir que estava em casa, que não me sentisse como estrangeiro... Realmente, os mexicanos são de um coração enorme... "Padre, ijole, usted sí que vino de lejos!"(que em português significa, "Xiça, padre, você veio mesmo de longe!") - comentou um deles... Eles deixaram as suas famílias por três dias, assim como o trabalho... todos eles são trabalhadores ao dia... Fazer isto, só se explica por que há razões que só o coração conhece...

«Agora sentimo-nos com mais vida, porque estais firmes no Senhor. Que acção de graças poderemos nós dar a Deus por toda a alegria que gozamos, devido a vós, diante do nosso Deus? Nós que, noite e dia, insistentemente, pedimos para rever o vosso rosto e completar o que falta à vossa fé?» 1Tes. 3,8-10

Encontro de Espiritanos para o Pentecostes

Durante os dois primeiros dias de Maio, reunimos-nos na cidade do México, para o nosso encontro de comemoração da fundação da congregação. Para todos os que não sabem, a Congregação do Espírito Santo nasceu no dia de Pentecostes no ano 1703, na cidade de Paris, pelo seminarista Cláudio Poullart des Places na igreja de Saint-Étienne-des-Grès. Nesse ano, o Pentecostes coincidiu com o dia 27 de Maio. Por isso, todos os anos reunimos-nos e festejamos a fundação da nossa congregação no dia de Pentecostes.
Na casa de formação espiritana, "Casa Libermann", todos os espiritanos que vivem e trabalham neste pais reunem-se para celebrar a fundação da congregação do Espírito Santo. Também nos acompanhavam os leigos que colaboram connosco nas diferentes paroquias e projectos espiritanos.
À uma da tarde, depois das habituais boas-vindas por parte dos anfitriões, tivemos um momento de oração, recordando o gesto memorável daquele Pentecostes de 1703. Recordámos os espiritanos; os seus trabalhos missionários; pedimos pelas vocações missionárias; pelos jovens em formação; enfim, pela missão espiritana. Depois deste momento, tivemos um almoço partilhado.
Quando caiu a noite, na capela de La Cascada, tivemos um momento de oração ao Espírito Santo. A coordenação foi da responsabilidade do movimento de Renovação carismática. No fim deste momento, celebrámos a Santa Missa de acção de graças pela Missão Espiritana actual. E como "ubi misa, ibi mensa", no amplo adro da capela, realizámos um convívio fraterno e festivo.

«Veio a Nazaré, onde tinha sido criado. Segundo o seu costume, entrou em dia de sábado na sinagoga e levantou-se para ler. Entregaram-lhe o livro do profeta Isaías e, desenrolando-o, deparou com a passagem em que está escrito: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para anunciar a Boa-Nova aos pobres; enviou-me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, a recuperação da vista; a mandar em liberdade os oprimidos, a proclamar um ano favorável da parte do Senhor"». Lc 4,16-19

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Ida à Cataratas de Micos - Passeio Ecológico

...numa tarde quente, do mês de Abril, eu e o Pe. Suawek decidimos dar um passeio até às cataratas de Micos. Já tínhamos programado um descanso comunitário, mas as ocasiões por este ou aquele motivo nunca apareciam, até que decidimos que era o momento.
Passamos pela Cidade Valles, onde fomos "buscar" o Sr. Gil Sanchez que, como bom guia, levou-nos a visitar e descobrir a beleza natural destas cataratas. Visitámos a pequena barragem hidroeléctrica de Micos... nem o Pe. Suawek nem eu sabíamos da existência desta...
Assim, passámos um dia diferente, aproveitando para conhecer estes lugares maravilhosos, para fortificar os laços comunitários e retemperar forças para a missão...

«T
omai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve». Mt 11,29