sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Visita do Pe. José Manuel, Provincial dos Espiritanos de Portugal

Durante uma semana, mais concretamente, desde o dia 24 de Novembro até ao dia 3 de Dezembro, os PP. José Manuel Sabença e Joaquim Dionísio visitaram a paróquia de San Antonio de Padua, assim como o Grupo Espiritano que trabalha neste país.
Aproveitaram, também, para conhecer este país e as suas culturas, uma vez que era a primeira vez que visitavam o México.
Ainda tiveram o privilégio de participar na peregrinação guadalupana que está a decorrer na paroquia; de visitar e desfrutar do castelo-jardim surrealista de Edward James, que se encontra encravado na cidade de Xilitla.
Muito obrigado pela visita (com um fortíssimo aplauso!) e, já sabem, aqui têm a vossa humilde casa.

«Paulo e Barnabé ficaram em Antioquia, ensinando e anunciando, com muitos outros, a Boa-Nova da palavra do Senhor. Passados alguns dias, Paulo disse a Barnabé: "Voltemos a visitar os irmãos por todas as cidades em que anunciámos a palavra do Senhor, para ver como estão"». Act 15,35-36

domingo, 26 de outubro de 2008

Centro Católico Multimedial...

O Centro Católico Multimedial é um centro web, fundado e dirigido pela comissão episcopal para as comunicações sociais. O seu objectivo é dar visibilidade à vida eclesial em terras mexicanas, assim como ser uma plataforma católica, para que cada diocese promova o intercâmbio de programas, noticias, projectos, actividades ou eventos importantes...
A nova evangelização necessita de novas maneiras de anunciar e comunicar a Boa Nova de Jesus Cristo...


«Atónitos e maravilhados, diziam: "Mas esses que estão a falar não são todos galileus? Que se passa, então, para que cada um de nós os oiça falar na nossa língua materna? Partos, medos, elamitas, habitantes da Mesopotâmia, da Judeia e da Capadócia, do Ponto e da Ásia, da Frígia e da Panfília, do Egipto e das regiões da Líbia cirenaica, colonos de Roma, judeus e prosélitos, cretenses e árabes ouvimo-los anunciar, nas nossas línguas, as maravilhas de Deus!".» Act 2,7-11

Convento de São Domingos

A evangelização no estado de Chiapas foi organizada pela ordem mendicante de Sao Domingos, mais conhecidos por dominicanos. Estes deixaram um forte marca neste estado, construiram Igrejas, centro médicos, escolas, universidades, enfim, espalharam o perfume da cultura e da fé cristã... Foi nesta terra chiapaneca que Frei Bartolomé de las Casas deu a sua vida pelos mais pobres e desenvolveu o seu plano de evangelização dos indígenas, defendendo-os, inculturalizando a fé e promovendo uma catequese integral, dando asas de condor à alma chiapaneca no seu voo até Cristo Jesus.

«Ora, durante a noite, Paulo teve uma visão: um macedónio estava de pé diante dele e fazia-lhe este pedido: "Passa à Macedónia e vem ajudar-nos!" Logo que Paulo teve esta visão, procurámos partir para a Macedónia, persuadidos de que Deus nos chamava, para aí anunciar a Boa-Nova». Act 16,10.

Dança dos "Parachicos" de Chiapas, uma lenda viva...

O estado de Chiapas é conhecido pela sua beleza natural, pela sua rica e complexa história, pela sua terra fértil. Aí vivem, desde tempos pré-hispânicos até hoje, os vários grupos étnicos Tzotzil, Tzeltal, Tojolabal, Choles, Zoques e Chiapas.
Conta a lenda, profundamente enraizada na emoção dos chiapanecos (de Chiapas, o grupo maioritário), que no meio da seca e da fome, os aldeões receberam um ilustre viajante. Uma senhora disse o motivo da sua viagem: o seu filho sofria de um estranho mal que lhe manietava o movimento das pernas. Ela tinha procurado os mais renomeados médicos, mas sem conseguir recuperar a saúde do seu filho, assim que decidiu visitar vários locais remotos em busca da cura para o rapaz.
Quando lhe falaram dos curandeiros de Chiapas, decidiu consultar o curandeiro mais famoso que habitava o monte 'Namandiyuguá' (que significa Cerro Brujo), que após examinar o garoto prescreveu uma porção feitas à base de ervas. E, ordenou ao rapaz que tomasse banhos no rio Cumbujujú (que quer dizer: onde há abundância de javali) para completar o tratamento.
Sem duvidar como o general Namaah, a mãe correu para os locais indicados e fez o tratamento, e para seu espanto e alegria também, como um milagre, o rapaz começou a recuperar a mobilidade nas suas pernas.
Gratos, mãe e filho regressam à sua cidade natal, e desde aí, como mostra de agradecimento, enviaram gado e grandes quantidades de cereais para aliviar a crise que se abatia então em grande parte da população de Chiapas.
Ordenou o abate de uma vaca por dia na praça e a distribuição de alimentos entre a população. Em Janeiro, no dia de São Sebastião, Dona Maria, assim se chamava esta senhora, mandou o filho ficar de pé e em tronco nu como o santo, de promessa para que nunca mais houvesse fome ou dificuldades para o povo chiapaneco.
Anos mais tarde, ambos regressaram a esta região, e viram que a situação tinha mudado. Com a chegada de um novo ano, os chiapanecos, para recordar esta visita, fizeram uma representação de uma senhora e um jovem, mascarados e que vão caminhando pelas ruas da cidade, rodeados pelos seus "agentes" que vão distribuindo alimentos, simbolicamente.
Actualmente, não existem dados para provar a veracidade desta lenda. Os cronistas não a mencionam, mas a história -com algumas variantes- é retida na memória do chiapanecos.
Tive o privilegio de ouvir a historia e apreciar a dança. Na foto se vê os dançantes...

El Cañón del Sumidero

No estado de Chiapas, a uns quantos quilómetros da sua capital, na bonita Tuxtla Gutiérrez encontra-se o mundialmente conhecido "Canhão do Sumideiro" (em espanhol: Cañón del Sumidero). É um dos muitos ex-libris de México, que tive o prazer de visitar e conhecer. É impressionante, imponente e faz-nos admirar a beleza da criação de Deus.

«Ó Senhor, nosso Deus, como é admirável o teu nome em toda a terra! Adorarei a tua majestade, mais alta que os céus. Da boca das crianças e dos pequeninos fizeste uma fortaleza contra os teus inimigos, para fazer calar os adversários rebeldes. Quando contemplo os céus, obra das tuas mãos, a Lua e as estrelas que Tu criaste: que é o homem para te lembrares dele, o filho do homem para com ele te preocupares? Quase fizeste dele um ser divino; de glória e de honra o coroaste. Deste-lhe domínio sobre as obras das tuas mãos, tudo submeteste a seus pés: rebanhos e gado, sem excepção, e até mesmo os animais bravios; as aves do céu e os peixes do mar, tudo o que percorre os caminhos do oceano. Ó Senhor, nosso Deus, como é admirável o teu nome em toda a terra!». Sl. 8,2-10

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Encontro de comunidadores católicos

Do dia 20 a 24 de Outubro, na bonita e alta cidade de Tuxtla Gutiérrez, capital do estado de Chiapas, realizou-se o décimo oitavo encontro de Comunicadores Católicos. Onde participaram mais de uma centena de integrantes das comissões diocesanas de comunicação social.
Na imagem, podemos ver o logótipo deste encontro, que nos falou da cultura e tradição zoque, que felizmente ainda está viva em muitos lugares da grande cidade de Tuxtla e do Estado de Chiapas.
Como membro da comissão de comunicação social da Diocese de Ciudad Valles, participei neste encontro anual. Foi um bonita experiência, partilhar conhecimentos, ver e apreciar novas maneiras de evangelizar e, sobretudo, partilhar a mesma preocupação: de evangelizar com os novos meios chegando assim a novos povos e culturas...

«Porque, se eu anuncio o Evangelho, não é para mim motivo de glória, é antes uma obrigação que me foi imposta: ai de mim, se eu não evangelizar!» 1Cor. 9,16

sábado, 20 de setembro de 2008

100 artigos, 100 histórias, 100 motivos...

Este é o artigo número 100!
Wuaooo... consegui escrever 100 artigos... estou feliz comigo mesmo!
Obrigado a todos vocês pelo vosso apoio, em especial pela vossa leitura e comentários.

Gusanito.com. Postales y Tarjetas electrónicas animadas gratis para toda ocasión. Mensajes positivos para tus amigos, familiares y gente querida. Cumpleaños, amor, amistad, días festivos y demás.

Tanchachin... Curso Propedêutico...

O seminário diocesano de Cd. Valles tem duas valências: o seminário menor - que tem a sua morada num edifício citadino, situado nos arredores de Cd. Valles; e o Curso de Introdução à Filosofia - estilo curso propedêutico, que se situa na comunidade de Tanchachin, município de Aquismón, S.L.P..
O reitor deste curso ou etapa é o Pe. Roberto Trejo, natural de Tamuin, que foi ordenado no ano 2003. Primeiro trabalhou na paroquia de Santiago de los Valles, mesmo no coração de Cd. Valles. Há dois anos assumiu a responsabilidade pedagógica como director desta etapa formativa para os jovens que desejam ser sacerdotes.
No ano passado, o Pe. Roberto pediu-me se o podia apoiar, dando um curso de espiritualidade aos rapazes que frequentam este curso. São sete jovens. Três deles provieram do seminário menor e os outros quatro entraram directamente para esta fase de preparação para a vida sacerdotal por causa da idade.
Todas as segundas-feiras, passo a manhã com este grupinho de jovens entusiastas. Tenho que me levantar bem cedo!!! Às seis da manhã, já tenho que estar ao volante, rumo à comunidade de Tanchachin. Às oito, iniciamos o curso de espiritualidade. Depois de um breve descanso, faço acompanhamento espiritual e termino com a celebração da Santa Missa. O mais bonito de este trabalho é ver jovens crescer na aventura de chamar a Deus por Pai e com eles viver a alegria da doação pelo Reino de Jesus Cristo... ou como me partilhava um deles, que aos 33 anos decidiu deixar um emprego bem remunerado para entrar no seminário: tomei esta decisão por que o meu coração querer estar enamorado por Deus e com Deus! De facto, há razões que só o coração conhece!!!

«E foi Ele que a alguns constituiu como Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres, em ordem a preparar os santos para uma actividade de serviço, para a construção do Corpo de Cristo, até que cheguemos todos à unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, ao homem adulto, à medida completa da plenitude de Cristo. Assim, deixaremos de ser crianças, batidos pelas ondas e levados por qualquer vento da doutrina, ao sabor do jogo dos homens, da astúcia que maliciosamente leva ao erro; antes, testemunhando a verdade no amor, cresceremos em tudo para aquele que é a cabeça, Cristo.» Ef 4,11-15

Fiesta Patria

A 16 de Setembro, de norte a sul do México, há uma grande celebração da Pátria, para comemorar o dia da Independência. O país veste-se de verde e vermelho, cores da bandeira nacional. Há carros com adornos alusivos a esta festa. As famílias reúnem-se, comem juntos uma carne assada - estilo churrasco e, claro, bebem cerveja corona, esta não pode faltar, assim como o Tequila, para que os gritos de alegria se expelem a plenos pulmões!!!
Este ano, na cidade colonial de Morelia, estado de Michoacán, que dista de San António umas 14 horas de carro, ocorreu uma tragédia... Umas 15 pessoas morreram, fruto de um atentado terrorista que deflagrou na noite de 15 para 16 de Setembro na praça central da cidade de Morelia. O mais lamentável deste ataque foi a frieza desta acção contra civis desprotegidos, em especial, as crianças que acompanhavam os seus pais na noite mexicana, vestidas a rigor para a festa.
Como manda a tradição, em cada câmara municipal, o presidente com a sua equipa toca o sino que evoca o gesto de independência, que há duzentos anos Miguel Hidalgo realizou na Igreja de Dolores, convocando a pegar em armas e lutar por um México livre e independente.
Triste momento, e cobarde acto!

«Com efeito, a maldade é cobarde e por seu próprio testemunho se condena; pressionada pela consciência, sempre imagina o pior». Sab 17,10

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Entrega de canastras básicas...

A paroquia de Nossa Senhora de Guadalupe de El Pujal, geograficamente, está situada na confluência de três rios. Dois destes têm caudais relativamente grandes, e o terceiro, felizmente, é um pequeno riacho... que só leva água quando há chuva.
Por causa de este último aspecto (só leva água quando chove!), no passado mês de Julho, como já noticiámos, houve um verdadeiro desastre. Choveu sem parar durante quinze dias e as consequências foram uma inundação nunca antes vista e a perda dos seus bens. Fruto da generosidade de muita gente, amigos, familiares e pessoas que se solidarizaram com as vitimas desta tragédia, conseguimos somar a quantia de $15,000 pesos mexicanos. Estes foram utilizados para a compra de canastra básica de alimentação, que foram entregadas a um total de 124 famílias, das seis comunidades mais afectadas.
Por isso, uma vez mais, venho por este meio agradecer a generosidade de todos vós que ajudastes. Em tempos de crise e de desassossego económico, é motivo de alegria e esperança esta generosidade. São Tiago dizia: «Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me então a tua fé sem obras, que eu, pelas minhas obras, te mostrarei a minha fé».
Muito obrigado, K'ak'námal yán!

«De que aproveita, irmãos, que alguém diga que tem fé, se não tiver obras de fé? Acaso essa fé poderá salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem nus e precisarem de alimento quotidiano, e um de vós lhes disser: "Ide em paz, tratai de vos aquecer e de matar a fome", mas não lhes dais o que é necessário ao corpo, de que lhes aproveitará? Assim também a fé: se ela não tiver obras, está completamente morta. Mais ainda: poderá alguém alegar sensatamente: "Tu tens a fé, e eu tenho as obras; mostra-me então a tua fé sem obras, que eu, pelas minhas obras, te mostrarei a minha fé."». Tg 2,14-18

domingo, 24 de agosto de 2008

Ultreia dos Cursos de Cristandade...

Na última sexta-feira de cada mês, os cursilhistas da paroquia de El Pujal realizam a Ultreia paroquial. É um encontro programado e vivido no sentido de dar expressão e dinamismo ao programa pastoral da diocese e do movimento "Cursos de Cristandade".
Quando era menino e moço, ouvia dizer que na paroquia de Nogueira havia uns cursos para gente graúda. Muitos participavam e, depois, era um gentio a colaborar nas actividades. Chegavam muitos catequistas. Só mais tarde fiquei a saber que toda aquela gente tinha participado num Curso de Cristandade!
Neste verão, durante três meses, trabalhei na paroquia de El Pujal e tive o privilegio de ajudar a preparar estas Ultreias paroquiais. No total foram três. Gostei e apreciei o empenho dos leigos e o seu enorme sentido de fé. No fim de semana, 18-22 de Dezembro, haverá um curso para toda a gente. Será na paroquia de Xilitla, na casa dos Cursillos. Espero e rezo para que o número de participantes seja elevado e assim cresça o número de leigos comprometidos. Senão as palavras de Don Rogelio serão proféticas: "Padre, muitos vão ao Cursillo e depois desistem... São os cristãos que ficam na valeta!!! Deixam-se cair nela!!! Porque não querem caminhar!!!"

«Quanto ao resto, irmãos, pedimo-vos e exortamo-vos no Senhor Jesus Cristo, a fim de que, tendo aprendido de nós o modo como se deve caminhar e agradar a Deus - e já o fazeis - assim progridais sempre mais. Conheceis bem que preceitos vos demos da parte do Senhor Jesus». 1Tes 4,1-2

Encontro Juvenil na paroquia de El Pujal

No segundo sábado de cada mês, os jovens reúnem-se para o seu encontro. São jovens de El Pujal, de La Marina, de Tantobal e de López Mateos. No total são cerca de 80 jovens.
Com o meu trabalho por três meses na paroquia de El Pujal, favoreceu-se a participação nestes encontros aos jovens de San Antonio. Estes viram que outros jovens também se reúnem, também falam abertamente da sua fé e do que os move e faz idealizar um mundo diferente: a civilização do amor! Os jovens de El Pujal também viram outros jovens que sonham e lutam por viver com radicalidade a sua fé.
Numa palavra, os jovens das duas paroquias encontram-se cada mês para partilhar o que levam na alma. Felizmente, estes encontros contribuem para fortalecer ambos os grupos juvenis paroquiais e, assim, pôr, de manifesto, que a vida de fé dos nossos jovens depende e necessita de encontros para o seu crescimento.

«Depois disto, derramarei o meu espírito sobre toda a humanidade. Os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos anciãos terão sonhos e os vossos jovens terão visões. Também sobre servos e servas, naqueles dias, derramarei o meu espírito». Joel 3,1-2

sábado, 16 de agosto de 2008

Festa de Maria: 15 de Agosto

Na paroquia de El Pujal, no dia 15 de Agosto, realizou-se uma procissão como maneira pública de expressar a adesão ao Plano Pastoral Diocesano e também como maneira filial manifestando a total devoção ao amor maternal a Maria.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Comunidade do Cuiche e Don Mário Moreno...

Na passada terça-feira, visitei a comunidade de "El Cuiche", que fica a uns vinte quilómetros de distância de Cd. Valles. Isto é, saí da paroquia de El Pujal, passei por Cd. Valles (que dista uns cinco km de El Pujal) e depois apanhei o caminho para esta comunidade de nome El Cuiche (significa tamale de milho... para os que não sabem, tamales é uma espécie de rissol de carne, ou de verdura, ou de doce).
Esta comunidade é composta pelas famílias que inicialmente trabalhavam no Rancho "El Detalle", propriedade do falecido Don Mário Moreno. Penso que todos sabemos quem ele é, ou era, uma vez que já faleceu... Mas, posso ajudar!!! Certamente, que se lembram do famoso e célebre filme mexicano "El Padrecito", ou dos famosos ditos e filmes de Cantinflas...
Bem, para mais informação podem ir a www.wikipedia.es (claro em espanhol!!! Lol...), e verão quem era este personagem... ou talvez melhor, recordarão os seus filmes, dos seus ditos, do seu estilo inconfundível. Como por exemplo, a sua famosa frase dita nas Nações Unidas no filme "Sua Excelência": «Jesus disse: 'amem-se uns aos outros', mas vocês mudaram para 'armem-se uns aos outros'». Sem dúvida, está bem actualmente e com muito estilo e picardia!!!
Convido a ver este vídeo, basta clicar neste link: http://www.youtube.com/watch?v=mwah9BYsyUY (ou esta outra cena muita famosa do mesmo filme: http://www.youtube.com/watch?v=6MXDU0bXQSY).
O interessante deste rancho "El Detalle", ao contrario de muitos outros, está na forma como foi criado, administrado e herdado. Foi criado por Don Mário, com a fortuna que fez ao largo da sua vida artística. Foi administrado em favor dos seus trabalhadores e, com os seus lucros, criaram-se inúmeros lares estudantis para jovens sem recursos e casa de órfãos, visando sempre dar pão e educação a quem o destino parecia negar. Inúmeras pessoas formaram-se integralmente devido à solidariedade de "Cantinflas". À sua morte, os seus trabalhadores do Rancho foram os herdeiros directos do mesmo. Uma conta bancária criou-se para continuar a dar pão e educação aos lares e casas de orfãos... Na verdade, o génio artístico aliado a um coração humano 'de diamante' idealizaram um projecto digno de admiração e que, sem margem para dúvidas, é soberbo!

«Acima de tudo, mantende entre vós uma intensa caridade, porque o amor cobre a multidão dos pecados. Exercei a hospitalidade uns com os outros, sem queixas. Como bons administradores das várias graças de Deus, cada um de vós ponha ao serviço dos outros o dom que recebeu.» 1Ped 4,8-10

sábado, 19 de julho de 2008

K'ak'námal yán! - Muito obrigado a todos! - Muchas gracias a todos ustedes!

Na cultura teneek, quando alguém quer agradecer um favor, ou dar uma mostra da sua gratidão, como por exemplo, quando os pais de um miúdo que foi baptizado querem agradecer aos compadres pela disponibilidade que manifestaram em aceitar ser padrinhos, o costume e a tradição teneek mandam que os pais ofereçam um "bolín" (espécie de bola de carne, tão típica como a de trás-os-montes), refrigerantes, pão doce e café aos padrinhos, na casa destes. Na casa da família que recebe a oferta, faz-se um altar, adornado com um ou dois arcos e flores, sendo colocados os presentes da oferta neste altar.
Depois de uma pequena oração, realiza-se a bênção das oferendas e há um pequeno ou grande convívio, conforme cada caso... Assim, se estreitam laços de amizade, de parentesco e compadrio (ser compadre é algo único e especial no México), assim como se manifestam os sentimentos de gratidão.
A todos vocês que, de imediato, partilharam, uniram-se em oração ou escreveram palavras de ânimo e esperança, gostaria de oferecer-lhes uma altar de gratidão segundo este belíssimo costume teneek. Em nome de todos os afectados pelas inundações do passado mês de Julho, desde o fundo do meu coração, quero agradecer-lhes por tanta generosidade, amizade e caridade cristãs. Muito obrigado! Muchas gracias! Ou, como diz o povo teneek: “K'ak'námal yán!”

«Antes de mais, dou graças ao meu Deus por todos vós, por meio de Jesus Cristo, pois a vossa fé é proclamada em todo o mundo. Pois Deus - a quem presto culto no meu espírito, anunciando o Evangelho do seu Filho - me é testemunha de como constantemente me lembro de vós, pedindo sempre nas minhas orações que tenha, finalmente, ocasião de ir ter convosco; assim Deus o queira». Rom 1,8-10

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Desastre na Huasteca... Pedido de Auxílio



Na madrugada do passado dia 8 de Julho caiu uma tempestade tropical sobre Ciudad Valles.
Bairros inteiros ficaram submersos. Muitas pessoas perderam os seus haveres. As casas construídas com muito suor, lágrimas e muito sacrifício, foram "deslavadas" em poucos minutos sem aviso. Durante 24 horas, não houve telefone, electricidade, água potável, comunicação nula e caminhos cortados. A Ciudad Valles esteve fora do nosso mundo. Isto ficou gravado na retina dos que presenciaram, estupefactos e sem poder fazer nada, esta desgraça.
Passada a tempestade tropical, atípica, vem o drama humana e social: famílias que perderam os seus haveres, negócios que, literalmente, foram pela "água abaixo", dez pessoas falecidas, nas quais se encontra uma família inteira, estando a mãe grávida de seis meses; há ruas que deixaram de existir, ainda que os mapas digam que existem... enfim, um verdadeiro drama humano, em toda a sua extensão..
Partilho convosco uma história dramática vivida na primeira pessoa. Que talvez expresse melhor esta imensa tragédia do que as minhas palavras:
«Francisca (nome fictício) tem 32 anos. Com muito sacrifício, tirou a licenciatura de Educadora Infantil, enquanto ia trabalhando aqui e acolá... aos 28 anos, com o seu canudo na mão, calcorreou Valles, de fio a pavio, em busca de um emprego corente com o seu curso. Depois de três anos de trabalho temporário, sendo pau para toda a colher, conseguiu um lugar no sistema estatal de educação inicial. Era um sonho. Mas foi sol de pouca dura... ao fim de três anos, foi enviada para o fundo de desemprego mexicano (uma versão "mais dura do nosso luxo lusitano": isto é, vais para a rua sem direito a nada, e não protestes, perdes tempo e azeite. Infelizmente, assim é a política social neste país), porque não tinha filiação partidária.
Conhecia-a. Depois de alguns meses, encontrei-a a trabalhar numa loja de artigos religiosos. Isto porque a proprietária teve compaixão e empregou-a. "Tenho que lutar e não perder a esperança, Padre". Assim me desabafou. Estava poupando cada centavo ganho para construir um mini-jardim infantil (o que sempre sonhou ter e, assim, realizar-se profissionalmente!). Na passada quarta-feira, triste dia da tempestade tropical atípica, Delia ficou sem nada de nada... a sua casa foi totalmente "lavada" pelas águas negras que a inundaram. O pouco que tinha foi com a água...
Via-a no sábado. Cumprimentou-me, desejou-me um feliz aniversário, mas notei que no seu canto do olho uma lágrima teimava em cair...
Por fim, como quem já sabia a resposta, mas que queria ouvir na primeira pessoa, perguntei-lhe: "Como estás, Francisca?"
"Viva, Padre." - respondeu-me - "Nem sabe como tenho agradecido a Deus por estar viva, Padre!", continuou.
De imediato, senti no estômago um murro: Na verdade, os pobres evangelizam-nos...»
Casos como estes há muitos. Resta-me acrescentar que Francisca é catequista na sua paroquia. Vive a sua fé com amor e alegria.
Talvez seja este o segredo da sua esperança. Eu penso que sim...

Venho por este meio pedir a todos vocês, meus amigos, que se querem ajudar todos os danificados desta tormenta, que poderão enviar o seu donativo para:
Nome do Banco: Banco Espírito Santo
Número de Conta: 6024 3674 0006 NIB: 0007 0602 00436740006 30
IBAN: PT50 0007 0602 0043 6740 0063 0
Em nome de todos os afectados, de antemão, lhes agradeço. Que Deus lhes multiplique em paz, saúde e amor.
«Não fiqueis a dever nada a ninguém, a não ser isto: amar-vos uns aos outros. Pois quem ama o próximo cumpre plenamente a lei. De facto: Não cometerás adultério, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, bem como qualquer outro mandamento, estão resumidos numa só frase: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. O amor não faz mal ao próximo. Assim, é no amor que está o pleno cumprimento da lei». Rm 13,8-10

terça-feira, 1 de julho de 2008

Paroquia de Nossa Senhora de Guadalupe... três meses diferentes...

Desde o dia 30 de Junho até ao 30 de Setembro, estarei na paroquia de El Pujal, dedicada à Virgem de Guadalupe, "la Madre de Tepeyac".
P. Juan Agberagba, nigeriano, se foi de férias ao seu país, por isso estarei aqui substituindo-o...
Antes de rumar à sua terra natal, o Pe. Juan acompanhou-me a diversas comunidades para que eu conhecesse um pouquinho a realidade da paroquia e ao mesmo tempo contactara com os catequistas, ministros da comunhão, coordenadores e com as demais pessoas.
A primeira comunidade que conheci foi a de "López Mateos". Esta situa-se a meia hora de carro da Igreja paroquial e na épocas das chuvas fica com o acesso cortado. A sua capela está dedicada a Santa Teresinha do Menino Jesus como se pode observar na foto.
É uma comunidade viva, pequena com cerca de 50 familias, mas muita animada e com uma capela de bom gosto, isto, limpa, fresca e bem pintada... Teresinha do Menino Jesus não merece menos...

«Assim como o Pai me tem amor, assim Eu vos amo a vós. Permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como Eu, que tenho guardado os mandamentos do meu Pai, também permaneço no seu amor». Jo 15,9-10

sábado, 21 de junho de 2008

Franciscanos de Maria - Nova Associação Religiosa

Nos últimos dias do mês de Maio, meia centena de pessoas, reuniu-se em congresso para dar um novo impulso à nova e recém-criada congregação religiosa - nova fundação: Franciscanos de Maria.
Acompanhando ao Pe. Victor, sacerdote diocesano de Cd. Valles e responsável da CODIPAC (Comissão Diocesana para a Pastoral da Comunicação Social), fui a San Luis para participar no Primeiro Congresso de Franciscanos de Maria, escola de Agradecimento. O pe. Victor é membro desta fraternidade sacerdotal e espiritual.
O fundador deste novo Movimento religioso e sacerdotal é o Pe. Santiago Martin, espanhol. Muitos conhecem-lo das suas famosas crónica dominicais do jornal madrileno "ABC". Foi discípulo do famoso sacerdote escritor, José Luis Martín Descalzo. Penso que se lembram dos seus famosos livros: "Razões para a Esperança" e etc...
Gostei muito de conhecer este sacerdote e homem de Deus. O carisma e apostolado dos Franciscanos de Maria é viver cada dia em total sintonia de agradecimento a Deus pelo seu imenso amor. Numa palavra: "Amar e fazer o Amor ser amado"...

«
O meu amado é para mim e eu para ele, ele é o pastor entre os lírios, até que rebente o dia
e as sombras desapareçam
». Ct 2, 16-17a

Passeio a cavalo em honra de San António...

video

No dia 10 de Junho, realizou-se o Primeiro Passeio a Cavalo em honra de São António de Pádua. Como podem ver no filme, foi todo um êxito!!! Participaram cavaleiros da paroquia, das paroquias vizinhas e amigos que se quiseram associar às festividades antoninas... Também foi um meio de valorizar tradições e fomentar-los aos jovens de hoje... E até, podia cantar-se: "Indo eu, indo a caminho de São Antonio..."


«Pelo caminho, proclamai que o Reino do Céu está perto». Mt 10,7

Entrevista com o Pe. Juan Narvaez...

Ele é o sacerdote mais veterano da Diocese, foi um dos primeiros a chegar a Valles, quando esta foi erigida... Os seus pais puseram-lhe o nome de Juan, e a família abriu-lhe os braços dizendo: serás um Narvaez a onde quer que vás.
O Pe. Juan Narvaez é um desses pilares que vale a pena admirar, parar para escutar com atenção a história da sua vida.
Antes de gravarmos mais um programa de Radio, Pe. Victor e eu fomos à casa de Pe. Juan para uma pequena entrevista.
Só um dado: começámos a entrevista às 12.00 horas e terminámos às 16.00 horas, justo meia hora antes da gravação do programa.
Contou-nos a sua vida, a sua entrada ao seminário de San Luís, a sua primeira paroquia, como veio para Ciudad Valles, as suas primeiras paroquias na huasteca potosina: Rayón, Axtla de Terrazas, e finalmente a paroquia de Sagrario Catedral de Valles.
O mais fascinante foi escutar-lo falar de como surgiu o projecto "Casa Sacerdotal". Nos partilhava que quando era um jovem padre, cheio de sonhos e projectos, trabalhando na paroquia de Nossa Senhora de Guadalupe como vigário cooperador, uma vez no mercado da cidade de San Luís, vi algo que o magoou profundamente: um sacerdote de uns cinquenta anos pedindo esmola aos vendedores, as pessoas que compravam...
Segundo o Pe. Juan, este episódio marcou-o indelevelmente. Por isso, ao construir a casa sacerdotal, estava a cumprir o seu sonho-resposta a este tão triste episódio. A casa sacerdotal nasceu com o objectivo de proporcionar aos sacerdotes (entendamos que aqui o Pe. Juan fala dos sacerdotes diocesanos) um lugar digno para descanso e para a aposentação...
Bem haja, Pe. Juan!


«Filhinhos, já pouco tempo vou estar convosco. Haveis de me procurar, e, assim como Eu disse aos judeus: 'Para onde Eu for vós não podereis ir', também agora o digo a vós. Dou-vos um novo mandamento: que vos ameis uns aos outros; que vos ameis uns aos outros assim como Eu vos amei. Por isto é que todos conhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros.» Jo 13,33-35

Procissão do Corpo de Deus...

O sol ainda brilhava com intensidade, quando começaram a chegar ao adro da Igreja paroquial de São António os primeiros grupos de crianças da catequese. Uns traziam balões coloridos, outros bandeiras, outros fitas coloridas... cada grupo da Primeira Comunhão tinha a sua respectiva cor...
Às seis da tarde, do dia 22 de Maio, iniciamos a procissão do Corpo de Deus... À frente da procissão ia a banda de guerra, da Escola Secundaria de São António; depois, o carro do som (foram os membros da Antorcha Guadalupana que o facilitaram); em seguida, o Pe. Suawek com a custodia eucarística coadjuvado pelos membros da Adoração Nocturna Mexicana (Movimento que tem por carisma viver a adoração perpétua a Jesus Eucaristia; a paroquia tem dois grupos ou secções: uma na Comunidade de Lejem e e outra em São António). Depois vinham os miúdos da Primeira Comunhão, divididos por comunidades; cada grupo munido com a sua cor designada. Por fim, as demais pessoas....
Percorremos as ruas de São António. Havia, em lugares estratégicos, 4 altares para adoração de Jesus Eucaristia, preparados pelos zeladoras da Igreja paroquial e encarregadas dos diferentes bairros.
Às sete da tarde, celebrou-se a Santa Missa da festa do Corpo de Cristo, e foi a melhor maneira para concluir este evento. Poderia dizer-se que foi a cereja no bolo...

«O cálice de bênção, que abençoamos, não é comunhão com o sangue de Cristo? O pão que partimos não é comunhão com o corpo de Cristo? Uma vez que há um único pão, nós, embora muitos, somos um só corpo, porque todos participamos desse único pão». 1Cor 10,16-17

Congresso Eucarístico Nacional - Morelia, 2008

Desde o dia 2 a 4 de Maio, na colonial cidade de Morelia, celebrou-se o IV Congresso Eucarístico Nacional. A capital do estado de Michoacán foi, durante estes três dias, a cidade eucarística mexicana. Bispos, sacerdotes, religiosas e religiosas, leigos de todos os estados e de todas as idades, reuniram-se no Centro de Exposições e Convenções desta bonita e pitoresca cidade. Para juntos estudarem os documentos pré-elaborados e também, como Igreja sinal de comunhão e unidade, prepararem o Congresso Internacional Eucarístico, que se celebrou em Quebec, Canadá.
Como representante e membro da equipa de comunicação social da diocese de Cd. Valles, estive presente neste acontecimento eclesial. Gostei do que vi, ouvi e interiorizei. Em especial, fascinou-me conhecer e conviver com tantos e tantas discípulos(as) de Jesus Eucaristia.
Na paroquia que me recebeu, ficaram também hospedados doze homens pertencentes ao movimento - Adoração Nocturna Mexicana; todos eles casados e já pais de muitos filhos, como aqui se costuma dizer. Fizeram uma viagem de 14 horas seguidas, desde a cidade de Parral, no estado de Chihuahua, que faz fronteira com os USA, apenas com um objectivo - Participar. Gostei de conhecer-los. Eram doces varões, homens de fé e mística. Quando era para rezar, rezavam com simplicidade e alegria. Quando era para reflectir sobre os diversos temas, dedicavam-se com esmero e atenção... Nos passeios de autocarro pela cidade, sempre mantinham a boa disposição... uma piada na ponta da língua, um comentário animador e positivo, perante algum triste espectáculo que as modernas cidades nos apresentam em cada esquina...
A partir do momento que souberam que eu era sacerdote missionário, não me deixaram mais sozinho... queriam acompanhar-me a todo o lado, ajudar-me a sentir que estava em casa, que não me sentisse como estrangeiro... Realmente, os mexicanos são de um coração enorme... "Padre, ijole, usted sí que vino de lejos!"(que em português significa, "Xiça, padre, você veio mesmo de longe!") - comentou um deles... Eles deixaram as suas famílias por três dias, assim como o trabalho... todos eles são trabalhadores ao dia... Fazer isto, só se explica por que há razões que só o coração conhece...

«Agora sentimo-nos com mais vida, porque estais firmes no Senhor. Que acção de graças poderemos nós dar a Deus por toda a alegria que gozamos, devido a vós, diante do nosso Deus? Nós que, noite e dia, insistentemente, pedimos para rever o vosso rosto e completar o que falta à vossa fé?» 1Tes. 3,8-10

Encontro de Espiritanos para o Pentecostes

Durante os dois primeiros dias de Maio, reunimos-nos na cidade do México, para o nosso encontro de comemoração da fundação da congregação. Para todos os que não sabem, a Congregação do Espírito Santo nasceu no dia de Pentecostes no ano 1703, na cidade de Paris, pelo seminarista Cláudio Poullart des Places na igreja de Saint-Étienne-des-Grès. Nesse ano, o Pentecostes coincidiu com o dia 27 de Maio. Por isso, todos os anos reunimos-nos e festejamos a fundação da nossa congregação no dia de Pentecostes.
Na casa de formação espiritana, "Casa Libermann", todos os espiritanos que vivem e trabalham neste pais reunem-se para celebrar a fundação da congregação do Espírito Santo. Também nos acompanhavam os leigos que colaboram connosco nas diferentes paroquias e projectos espiritanos.
À uma da tarde, depois das habituais boas-vindas por parte dos anfitriões, tivemos um momento de oração, recordando o gesto memorável daquele Pentecostes de 1703. Recordámos os espiritanos; os seus trabalhos missionários; pedimos pelas vocações missionárias; pelos jovens em formação; enfim, pela missão espiritana. Depois deste momento, tivemos um almoço partilhado.
Quando caiu a noite, na capela de La Cascada, tivemos um momento de oração ao Espírito Santo. A coordenação foi da responsabilidade do movimento de Renovação carismática. No fim deste momento, celebrámos a Santa Missa de acção de graças pela Missão Espiritana actual. E como "ubi misa, ibi mensa", no amplo adro da capela, realizámos um convívio fraterno e festivo.

«Veio a Nazaré, onde tinha sido criado. Segundo o seu costume, entrou em dia de sábado na sinagoga e levantou-se para ler. Entregaram-lhe o livro do profeta Isaías e, desenrolando-o, deparou com a passagem em que está escrito: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para anunciar a Boa-Nova aos pobres; enviou-me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, a recuperação da vista; a mandar em liberdade os oprimidos, a proclamar um ano favorável da parte do Senhor"». Lc 4,16-19

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Ida à Cataratas de Micos - Passeio Ecológico

...numa tarde quente, do mês de Abril, eu e o Pe. Suawek decidimos dar um passeio até às cataratas de Micos. Já tínhamos programado um descanso comunitário, mas as ocasiões por este ou aquele motivo nunca apareciam, até que decidimos que era o momento.
Passamos pela Cidade Valles, onde fomos "buscar" o Sr. Gil Sanchez que, como bom guia, levou-nos a visitar e descobrir a beleza natural destas cataratas. Visitámos a pequena barragem hidroeléctrica de Micos... nem o Pe. Suawek nem eu sabíamos da existência desta...
Assim, passámos um dia diferente, aproveitando para conhecer estes lugares maravilhosos, para fortificar os laços comunitários e retemperar forças para a missão...

«T
omai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração e encontrareis descanso para o vosso espírito. Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve». Mt 11,29

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Feria Nacional de la Huasteca - 2008

Desde o dia 7 até ao dia 16 de Março, na Ciudad Valles, realizou-se a Feira Nacional da Huasteca Potosina. Em poucas palavras foi a "queima das fitas à mexicana" em plena Semana Santa...
Claro que os organizadores dizem que isto, ou seja, esta é semana com tradição que passa de geração em geração, é um tempo de diversão... Houve um arquitecto que me disse: "Padre, o doze de Dezembro (festa da Virgem de Guadalupe) é devoção, Natal e Páscoa é diversão!" Fiquei pálido!!!
Do meu ponto de vista é incompatível, celebrar a Páscoa como deve ser e ao mesmo tempo andar na "Quema". Imaginem-se isto: às três da tarde da sexta-feira santa, celebramos a Via Sacra e à noite vamos dançar e tomar uns copos ao som de Quim Barreiros!... Para os jovens e não só, como catequistas e outra gente muito santa, não há problema, é perfeitamente normal... a mim, isto causa-me figadeira aguda!!! Perdão, foi um desabafo... (esta é a cruz do missionário...)
No entanto, como dizia eu, fui com o Pe. Suavek ver a tal Feria. O presidente do Patronato deste evento tinha prometido mais tempo e espaço à cultura... por isso, fomos no sábado, véspera do domingo de Ramos ver esta feira, pois caso contrario não teríamos outra oportunidade.
Gostei do que vi: o espectáculo Jarocho (www.jarocho.net), que é um
River Dance mexicano. Foram duas horas de encher os olhos com este show de dança moderna mexicana, que manifesta a beleza e exuberância do estado de Veracruz.

«
Purificai-vos do velho fermento, para serdes uma nova massa, já que sois pães ázimos. Pois Cristo, nossa Páscoa, foi imolado. Celebremos, pois, a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com os ázimos da pureza e da verdade». 1Cor 5,7-8

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Encontro de Espiritanos em Tanlajás

Há 32 anos, mais precisamente no dia 06 de Março de 1976, o Pe. Frank Kichach chegava à Huasteca para aqui desenvolver um largo ministério (imaginem que quando ele chegou à huasteca eu tinha dois meses e alguns dias de idade!...). No entanto, como todas as coisas na vida, e tudo o que é bom, sempre tem um fim, o Pe. Frank despedir-se-á da huasteca no próximo mês de Junho, regressando para o seu pais natal: USA. Foram trinta e dois anos ao serviço da Igreja de Ciudad Valles e de testemunho missionário. Sempre com um sorriso e uma palavra amiga. "Muchas Gracias, Padrecito!"
Mas se uns vão, outros chegam... Na semana de Pascoela, o grupo espiritano viu-se mais enriquecido com a chegada do Pe. Osvaldo, porto-riquenho, que irá colaborar na formação dos futuros espiritanos deste país. Bem-vindo, Pe. Osvaldo!
Todos os anos, na semana de Pascoela, todos os espiritanos que trabalham neste país reunem-se no Centro de Desarrollo Espiritano (CED) para a sua semana anual de reflexão. Este ano abordámos um ponto importante: o primeiro Capítulo Espiritano que se celebrará no próximo ano de 2009. Claro que tivemos um 'muy' bonito momento de festivo de agradecimento ao Pe. Frank por tantos anos de vida missionária no México assim como de bem-vinda ao Pe. Osvaldo. E assim é a vida por estes lados, ou no dizer do senhor Joaquim de Fonte Boa, "vão os velhos, ficam os novos"... claro ele falava dos sapatos!!!

«Dêem graças ao Senhor, pelo seu amor e pelas suas maravilhas em favor dos homens. Ofereçam sacrifícios de acção de graças e anunciem as suas obras com alegria». Sl 107 21-22

Vigilia de Páscua - baptismo de 6 jovens... Noite de Vida Nova...

Foram seis jovens que iniciaram em Janeiro o curso preparatório para a Iniciação Cristã, tinham idades compreendidas entre os 17 e os 22 anos e dois deles já estavam casados pelo civil. Isto é, já viviam como casal, há mais de cinco anos juntos e queriam formalizar o seu compromisso matrimonial. Uma da esposas não era baptizada, não podendo o casal receber o sacramento do matrimónio. Então como é lógico, tinha que ser iniciados à vida cristã. Através do Sr. Alberto, catequista de El Progreso, Glafira veio explicar o seu caso e pedir informações para poder ser baptizada.
A ela, juntaram-se mais cinco jovens. Todos eles provinham de famílias ditas cristãs... porque nenhuma delas se preocupou em dar a devida educação cristã aos seus filhos... "É que quero, Padre, que seja o meu filho a escolher a religião que vai seguir!..." A realidade diz-nos que nem escolhem nem seguem... infelizmente, o problema começa com a pouca participação da vida de Igreja dos pais, e como, de pequenino é que se torce o pepino, depois já não torce, parte!... Enfim, isto é o que acontece para estes lados, infelizmente... e resultado da cultura mexicana e da educação familiar...
Na Vigília da Páscoa, estes seis jovens foram baptizados, numa celebração muito emotiva para os seus familiares e padrinhos. Foi uma celebração pouco demorada, três horas e media, mas que continha uma imensa vida festiva.
As pessoas de San Antonio já estão habituadas a estas celebrações, devido ao programa catequético desenvolvido a partir do Pe. Paco (sacerdote espiritano francês). Há sempre pessoas que vêm de fora só para ver este jovens ou adultos a serem baptizados, porque nunca tinham visto tal coisa... No fim desta celebração, ouvi o comentário de uma senhora que pertence à parroquia vizinha a dizer à sua comadre, que a acompanhava, que realmente era verdade isto de baptizar pessoas já crescidas. Tinham-lhe comentado e não acreditava... Era uma "Tomasa"!!!

«Pelo Baptismo fomos, pois, sepultados com Ele na morte, para que, tal como Cristo foi ressuscitado de entre os mortos pela glória do Pai, também nós caminhemos numa vida nova. De facto, se estamos integrados nele por uma morte idêntica à sua, também o estaremos pela sua ressurreição». Rom. 6,4-5

Sexta-feira: Via sacra e a Procissão do Silêncio...

Na tarde da sexta-feira santa, o ponto de encontro foi a capela do Rancho Ladrillera... o calor estava no seu auge, eram mais ou menos as três horas quando demos início à celebração do Via Sacra e também à da Adoração da Cruz... Uma vez que a Via Sacra era a liturgia da palavra da adoração da cruz, primeiro escutámos as leituras próprias deste dia, e em vez do evangelho, iniciámos a via sacra, partindo rumo à Igreja Paroquial.
Éramos um povo que caminha, que vive a sua fé... Havia gente de todas as comunidades que compõem San Antonio, todos os catequistas, os diversos grupos juvenis, novos e velhos, de todas as condições sociais, unidos pela fé e o amor ao Cristo sofredor!
O grupo de Jovens preparou a Via Sacra, ajudados pelo Comité da Antorcha Guadalupana que os auxiliou com os meios técnicos: o carro de som, a protecção policial, entre outros... Foram três horas de caminho, de oração, de dor e alegria, de comunhão eclesial... Durante três meses, os 30 jovens, orientados pelo Bernabé Cabrera, ensaiaram a Via Sacra e confeccionaram as roupas e adereços próprios para esta representação religiosa.
Chegados à Igreja Paroquial, tivemos a encenação da crucificação de Cristo, a oração das suas ultimas sete palavras (mexicanos gostam de uma celebração bem emotiva, com gestos dramáticos, como bons latinos que são, o coração comanda-lhes a vida...) e a Adoração da Cruz... Após este momento, houve a comunhão eucarística.
Terminando em silêncio, a Adoração da Cruz, Liturgia de Sexta-feira Santa, os paroquianos de San Antonio fizeram, como é habitual, a sua adoração pessoal ao Senhor Jesus... isto é, cada um na sua vez, foram adorar a Cristo no seu ataúde, deixando-lhe flores e uma vela acesa em sinal de fé e amor.
Ao cair da noite, realizou-se a tradicional Procissão do Silêncio: pela porta principal da Igreja, saíram à frente os homens, transportando o ataúde de Jesus, do Cristo sofredor, bem ao estilo desta cultura mexicana.
Atrás deste cortejo masculino, saíram as mulheres por uma porta lateral da Igreja, fazendo um percurso alternativo ao dos homens pelas ruas de San Antonio. Elas transportaram a imagem da Virgem Dolorosa.
Esta procissão realiza-se no mais completo silêncio: não há introdução, não há cantos, não há palavras... onde fala o coração, sobram as palavras...
Na praça central, encontraram-se os dois cortejos, e iniciaram a subida de regresso à Igreja Paroquial. Sem dúvida, iam os homens à frente e as mulheres atrás... não podia ser de outra maneira... senão não estaríamos no México!!! No entanto, esta reflecte a profunda devoção mexicana popular a Cristo sofredor, ao Ecce Homo do sofrimento, que assumiu as nossas culpas... Oh feliz culpa, como bem disse Santo Agostinho.

«Não te envergonhes de dar testemunho de Nosso Senhor, nem de mim, seu prisioneiro, mas compartilha o meu sofrimento pelo Evangelho, apoiado na força de Deus. Ele salvou-nos e chamou-nos, por santo chamamento, não em atenção às nossas obras, mas segundo o seu próprio desígnio e a graça a nós concedida em Cristo Jesus, antes dos séculos eternos, e agora revelada na manifestação do nosso Salvador, Cristo Jesus, que destruiu a morte e irradiou vida e imortalidade, por meio do Evangelho, do qual eu próprio fui constituído arauto, apóstolo e mestre». 2Tim. 1, 8-11

Quinta-feira Santa...

Nesta quinta-feira, na comunidade Lejem, que se situa a uns 5 km de San Antonio, o P. Suavek presidiu à Santa Missa da Instituição da Eucaristia.
Como é tradição tenek, em vez do ritaul do lava-pés, fez-se lava-mãos dos doze apóstolos. Nesta cultura, o gesto de lavar as mãos é muito importante. Realiza-se em sinal de respeito, de aproximação e de manifestação da vontade em servir a comunidade e de trabalhar pelo bem comum. Este rito tenek é realizado da seguinte maneira: a autoridade da comunidade toma as mãos da pessoa escolhida (neste caso, o padre toma as mãos dos apóstolos designados), lava as mãos e a boca de cada um de eles. Depois disto, coloca-se a cada um deles uma coroa feita com "limonaria" (espécie de cedro) em sinal de aceitação e compromisso com a comunidade.
Assim se vive a fé por estes lados...

«Depois de lhes ter lavado os pés e de ter posto o manto, voltou a sentar-se à mesa e disse-lhes:
"Compreendeis o que vos fiz? Vós chamais-me 'o Mestre' e 'o Senhor', e dizeis bem, porque o sou. Ora, se Eu, o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. Na verdade, dei-vos exemplo para que, assim como Eu fiz, vós façais também. Em verdade, em verdade vos digo, não é o servo mais do que o seu Senhor, nem o enviado mais do que aquele que o envia. Uma vez que sabeis isto, sereis felizes se o puserdes em prática"». Jo. 13,12-17

sábado, 29 de março de 2008

Domingo de Ramos

No passado domingo de Ramos, a paroquia de San Antonio de Padua vestiu-se de gala... Como é tradição, toda a gente se reuniu no cruzeiro de Cuechod e ao meio-dia, debaixo de um sol abrasador, em procissão, dirigiu-se para a Igreja paroquial. Cada família traz consigo uma cruz feito com palma e adornada de bugambílias como manda a tradição e o costume religioso... esta cruz, depois da missa deste dia festivo, é colocada na porta de cada casa, como sinal de participação na morte e ressurreição de Cristo e também como sinal de identificação da catolicidade da família.«A linguagem da cruz é certamente loucura para os que se perdem mas, para os que se salvam, para nós, é força de Deus. Pois está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios e rejeitarei a inteligência dos inteligentes.» 1Cor. 1,18-19

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Dia de Libermann, 02 de Fevereiro

No passado dia 1 de Fevereiro, na paroquia de El Pujal, realizou-se o momento evocativo do aniversário da morte do nosso fundador Pe. Francisco Libermann. Ás sete da tarde, vindos das quarto paroquias que estão ao cuidado pastoral, a comunidade espiritana da huasteca celebrou a morte do nosso fundador. Houve a participação dos paroquianos de El Pujal. No fim deste momento evocativo, houve um convívio fraternal...

«Só isto é necessário: comportai-vos em comunidade de um modo digno do Evangelho de Cristo, para que [...] ouça dizer isto de vós: que permaneceis firmes num só espírito, lutando juntos, numa só alma, pela fé no Evangelho» Fl. 1,27

Programa de rádio “Todos juntos”

Todas as quarta-feiras à tarde, Pe. Victor, as Sras. Rigel e Lizzy e eu, dirigimo-nos para a estação de Radio XCEV – Valles, para gravar o programa semanal da Diocese de Cd. Valles. O programa chama-se “Todos Juntos”, e é emitido por esta radio cada sábado, à hora do almoço. Já dizemos entre nós: cá vamos para mais um show a 4 às 4... Este programa surgiu como resposta ao Plano Diocesano de Pastoral que pedia uma maior comunhão entre as diversas comissões pastorais. Há cinco que nasceu este plano. Em Junho de 2006, na reunião de programação pastoral, criou-se a Comissão Diocesana de Pastoral de Comunicação, foi nesta reunião que fiquei designado a esta comissão.
Numa primeira etapa, criamos o jornal bimestral, “O mensageiro”, que tem uma tiragem de 5000 exemplares. São 4 folhas tamanho A3, onde se cria uma rede de comunicação: notícias de paroquias, de movimentos, de pequenos grupos diocesanos... enfim, foi o primeiro meio de comunicação que surgiu... hoje ainda continua... esperamos que mais anos seguirá sendo o elo de ligação entre paroquias e comunidades...

Regressando ao nosso programa radiofónico, este surgiu em Janeiro de 2007, com o total apoio da Sra. Galdis, directora da Radio XCEV. Já cumprimos um ano de vida e de emissão... Mas ainda vamos na fase experimental pois os conhecimentos técnicos são baixos... Todas as segunda-feiras, elaboramos o rascunho do programa, depois passamos à etapa de verificar a sua actualidade e elaboramos o guião, uma vez que será gravado e posteriormente editado.

Então, às quarta-feiras pelas 4.30 horas, gravámos um programa de 30 minutos, finalizando com um breve momento informativo acerca da vida da Diocese: reuniões, encontros, avisos ou outros...
E assim, vamos unindo pessoas e comunidades...

"
O que existia desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplámos e as nossas mãos tocaram relativamente ao Verbo da Vida, o que nós vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também vós estejais em comunhão connosco. E nós estamos em comunhão com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo. Escrevemo-vos isto para que a nossa alegria seja completa." 1Jo. 1,1.3-4

Soprar as velas...

Aqui, no México há um costume bem engraçado...
Sempre que se festeja o aniversário de alguém, há sempre a mordida do bolo por parte do aniversariante...
Claro que no momento que se dá a mordida ao bolo há sempre uma mão amiga que, sorrateiramente, empurra...
Este é o método mexicano de provar os bolos... ainda se ganha uma pintura grátis no nariz, assim cheira-se empiricamente o dito bolo...
Quando celebrei o meu aniversário, também tive que, empiricamente, cheirar e provar o bolo... estava delicioso e depressa desapareceu... não pelo nariz...

Fiesta a la mexicana...

No dia 30 de Janeiro, à noite, depois de termos gravado o programa de Radio, como já é de praxe, Pe. Victor (mexicano), Pe. Suavek e eu, fomos para a Igreja catedral de Cd. Valles para concelebrar na missa das oito da noite. Após esta Santa Missa, dirigimo-nos à casa da Sra. Lizzy (familia amiga e colaboradora na Comissão de pastoral da comunicação) para celebrar entre família o dom da vida que Deus me concedeu neste dia.

«Vede como é bom e agradável que os irmãos vivam unidos! É como óleo perfumado derramado sobre a cabeça, a escorrer pela barba, a barba de Aarão, a escorrer até à orla das suas vestes. É como o orvalho do monte Hermon, que escorre sobre as montanhas de Sião. É ali que o Senhor dá a sua bênção, a vida para sempre». Sl. 133

As "mañanitas" ao Padrecito

Eram mais ou menos as 8.30 horas da noite do dia 29 de Janeiro, quando o Suavek e eu chegámos do nosso passeio higiénico. Em tom de brincadeira, enquanto eu preparava um chá, ele perguntou-me à queima roupa: “A que horas vais dormir? É que estou a ver-te muito cansado..."
Tomámos o nosso chá e o Suavek disse-me: "Olha lá, tenho de ir a Tanlajás... Regresso em dez minutos."
Enquanto ele se foi, vi um pouco das noticias de Portugal, através da RTP-Internacional, e como me sentia cansado, fui dormir...
Pouco antes da meia noite, ouvi uns passos, um afinar de viola, e qual não é a minha surpresa: O Suavek chegou com duas dezenas de pessoas amigas para me visitar e cantar os parabéns a você...
Claro que houve festa, não rija, por que o dia seguinte era dia de trabalho, mas houve festa e alegria...
Assim se celebra o aniversario cá por estas bandas...

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Dia 4: 25 de Janeiro de 2008

Às seis da manhã, ouvi uns latidos junto da minha janela. Não podia acreditar no que ouvia e via: o tal famoso “Tanque” estava a lamber a minha janela... Não sei com que intenções dava umas lambidelas... penso que foi a maneira canina de dizer-me “Bom dia, Senhor Padre! Aqui estou eu o Tanque a vigiar...
Bom, depois desta interrupção, agarrei novamente o travesseiro
e aproveitei a ultima meia hora que me restava... dormi como um justo... e novamente às sete e meia, saía, de campainha na mão, a despertar os missionários para mais um dia de retiro...
Às oito da manhã, rezámos a oração de laudes, e neste dia celebrámos o grande apostolo São Paulo... estamos no seu ano jubilar!

Penso que foi uma óptima maneira de começar o dia, olhando para o exemplo de fé deste grande homem do Evangelho e também, por que não, uma forma ideal de terminar um retiro para missionários... com chave de ouro?...
Às dez da manhã, como foi habitual durante esta semana, tivemos o nosso encontro de reflexão. Depois de um momento de reflexão pessoal, tivemos a oportunidade de celebrar juntos a missa de encerramento deste retiro anual. Esta contou com a renovação dos votos de Jesus Gabriel, que está no terceiro ano de Teologia, e de Baltazar, que se encontra no último ano de Teologia.
No fim desta celebração, houve o almoço fraterno de despedida do retiro. Poucos minutos antes do início deste, o jovem Lupio, que se encontra em experiência missionária em Tefé, Amazónia-Brasil, conseguiu chegar depois de uma manhã de seca na embaixada do Brasil por causa dos papeis para novamente ingressar neste país... é caso para dizer: “eh pá! Só papel, cara!!! Deixa de ser moleque!!!”
Por volta das 15:30, no carro do amigo Pe. Miguel, pároco em Monte Carmelo, paroquia do Distrito Federal que recebeu de braços abertos os espiritanos no ano 2003, quando abrimos a nossa primeira casa na capital mexicana. E assim, deixámos para trás a casa das irmãs religiosa da Santa Cruz que foi o nosso ninho por uma semana e rumámos ao aeroporto de Toluca para daí voar à cidade de Tampico. Seriam uns 45 minutos de viagem para depois realizar mais uma jornada nocturna para San Antonio....
Por volta das 23:00 deste mesmo dia, eu e Suawek, entrámos na nossa humilde casa de San Antonio cansados e um pouco esgotados pelas horas da viagem, mas cheios de fé e entusiasmo missionários.

Caminhando ao longo do mar da Galileia, Jesus viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André, que lançavam as redes ao mar, pois eram pescadores. Disse-lhes: «Vinde comigo e Eu farei de vós pescadores de homens.» E eles deixaram as redes imediatamente e seguiram-no. Um pouco mais adiante, viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, os quais, com seu pai, Zebedeu, consertavam as redes, dentro do barco. Chamou-os, e eles, deixando no mesmo instante o barco e o pai, seguiram-no. Jesus e a multidão Depois, começou a percorrer toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, proclamando o Evangelho do Reino e curando entre o povo todas as doenças e enfermidades”. Mt, 4,12-23